Tercio Borges Palmerston

Músico, compositor, arranjador, produtor musical e publicitário


Tercio-1.jpg

Instrumentos: Cavaquinho, violão e percussão (regional brasileira)

Letrista e melodista, possui diversas músicas editadas no Brasil e na Europa.

 

Discografia individual:

    - Camisa Amarela e Mercedes Cabanac 1985 (edição de autor)

- Acorde Brasileiro 1986 (Tercio Borges) Leblon Records

- Sacode Carola 1996 (Tercio Borges) Afan Records

- Butiquim do Martinho 1997 (Integrando o Grupo Compasso da Vila) Sony Music

- Rio Lisboa 2006 (Tercio Borges) Mundial Records

- Choro Malandrinho 2009 (Integrando o Grupo Raspa de Tacho) edição de autor.

 

Algumas participações, como cavaquinista, em gravações:

    - Vitorino “Sul” 1985 (edição em CD 1994) EMI

- Martinho da Vila 1996 “Butiquim do Martinho”  Sony Music

- Paulinho Tapajós (1997) CID

- Augusto Martins (1998) Dabliú Discos

- Lenine (Velha Guarda da Mangueira e convidados- 1999)

- Nelson Sargento (Velha Guarda da Mangueira e convidados-1999)

- Velha Guarda da Mangueira (1999) * indicado ao Gramy Latino 2000 (Nikita Records)

- Toy “É só Sexo” (2004) e “Sou Português” (2005) Espacial

- Gravação do Hino ao Refugiado com Nancy Vieira e Carlos Mendes (2006)

- DVD “Sombrinha ao vivo em Lisboa” (2008)

- António Vasco Moraes “Saudade” (2010)

- JP Simões (2013)

 Apresentou-se com vários artistas internacionalmente consagrados, tais como:

 Alcione, Beth Carvalho, Blits, Dona Ivone Lara, Diogo Nogueira Gil do Carmo, Janita Salomé, João Nogueira, Jorge Aragão, Karametade, Lenine, Marcelo D2, Marcos Suzano, Martinho da Vila, Mart’nalia, Paulinho da Viola, Seu Jorge, Sombrinha,Teresa Salgueiro,Tito Paris, Vitorino, Zeca Pagodinho...

 

Festivais e Prémios:

  • Primeiro e segundo lugares no Festival Santo Agostinho de música (1984) com as músicas “Brigando em Família” e “Até Quando?” Recebeu ainda os prêmios de melhor arranjo, intérprete e juri popular.
  • Primeiro Lugar no Festival Universitário da PUC (1984).
  • Troféu “Zé da Zilda” no IV Festival da Rede Manchete de Músicas de Carnaval (1986). Segundo lugar como melhor intérprete e revelação do Festival.
  • Terceiro lugar no I Festival Nacional de Choro, patrocinado pelo Estado do Rio de Janeiro (1994)
  • Autor de sambas vencedores nos seguintes Blocos de Carnaval do Rio de Janeiro: “Empurra que Pega” (1995, 1996, 1997, 1998) “Imprensa que eu Gamo” (1998) “Suvaco do Cristo” (O maior bloco de Carnaval do Rio de Janeiro) 1999.
  • Classifica três sambas de sua autoria, na final do concurso Fábrica de Samba, realizado do Maracanãzinho (2003)
  • Autor de sambas de enredo para as escolas portuguesas “Dá que Falar” (2002) e “Trepa no Coqueiro” (2002, 2003, 2004, 2005)

 

 Músicas Gravadas por outros artistas:


  • “Dançar é bom” -  Priscilla (Som Livre) 1995 
  • “Agora eu fiquei Afim” – Grupo Malícia Brasileira 1995
  • “Pra quê negar?” - Bruno Maia (Sony Music) 1996
  • “Gente de Ilha” (em parceria com Rodrigo Lessa  e Eduardo Neves) – Pagode Jazz Sardinha’s Club 2003 (Rob Digital)
  • “Samba do Compasso” – Grupo Compasso da Vila 2005
  • “A bandinha do Croquete, “Confusão no Reino da Fantasia, “Quem come Croquete...repete” – Palhaço Croquete (Gravadora Espacial) 2007
  • Carnaval Radioactivo – JP Simões 2013

 

    Algumas participações como músico, autor de bandas sonoras e músico-actor em novelas e mini-séries da Rede Globo de Televisão:

   

  • Pedra sobre Pedra (1992)
  • Fera Ferida (1993/94)
  • Sonho Meu (1993/94)
  • A Indomada (1992)
  • Quatro por Quatro (1994/95)
  • Explode Coração (1995/96)
  • Cara e Coroa (1995/96)
  • Malhação (1995 até 2000)
  • História de Amor (1995/96)
  • Pecado Capital (1998/99)
  • Dona Flor (com a inclusão de uma música sua; “Vem me Clarear” na       banda sonora original da mini-série)
  • Chiquinha Gonzaga (1999)
  • Fantástico (1986 e 1987)
  • Domingão do Faustão (1998)

 

 Principais Jingles e trilhas sonoras para rádio e Televisão

 

- Brasil 100 anos de República- Hino oficial (1988)

- Vinhetas da Rede Globo (1993)

- Abertura Radical Chique – Rede Globo (1989)

- Primeiro aniversário do Real – nova moeda do Brasil (1995)

- Casas Pernambucanas (1994)

- Toyota- Brasil (1994)

- Cerveja Kaiser (1996)

- Campanha vitoriosa de Marcelo Alencar ao Governo do Rio de Janeiro (1994)

- Campanha vitoriosa de Celso Pitta à prefeitura de São Paulo (1996)

- Campanha vitoriosa de Joaquim Roriz ao Governo do Distrito Federal (1997)

- Hino do P.M.D.B. (1997)

- Diversos jingles para o Governo do Estado do Rio de Janeiro. Destaque para a inauguração do Metro de Copacabana  (1998)

- Xerox (2000)

- Banco do Brasil (2000)

  

Grupos musicais que Participou:

 

  • Vibrações (choro)
  • Camisa Amarela (samba/choro)
  • Acorde Brasileiro (samba/choro)
  • Os Lunáticos (choro)
  • Sacode Carola (samba)
  • Compasso da Vila (samba)
  • Téo Borpa e o Acorde (samba/choro)
  • Condado de Roterlou (instrumental brasileiro)
  • Trio Tércio Borges (samba/choro)
  • Raspa de Tacho (choro)
  • Lusofonia Muda (instrumental lusófono)
  • Trio 171 (choro)
  • Democratas do Samba (samba)
  • Orquestra Libertina de Lisboa (choro)

 

 Teatro e Cinema:

 

  • “As noviças Rebeldes”, musical com direção de Wolf Maya (1994)
  • “O que não estava escrito no gibi” (1995)
  • “Metralha” o musical, com Diogo Vilela e direção musical de Tim Rescala (1997).
  • Trilhas sonoras e actuações na peça “Os Meus Primeiros Poemas” com o grupo Magia e Fantasia (Portugal)
  • Produção musical do CD infantil “A Revolta dos Bonecos” (baseado na peça apresentada pelo grupo “A Barraca” (2004)
  • “A Rainha Maluquinha” musicas originais e actuação no musical de Susana Palmerston (2005 e 2006)
  • “As Três Marias ou quem espera sempre... apanha uma grande seca”- Autoria das músicas originais e dos textos, estes em parceria com Susana Palmerston. (2006, 2007 e 2008)
  • Banda sonora original do curta luso-brasileiro “Xeque Mate”, filmado em Lisboa com Direção do brasileiro Silvio Guindane (2007)
  • Banda sonora original do filme “A Obra” de Susana Palmerston e Cátia Pereira (2010).
  • Banda original do curta luso-brasileiro “A Prece” de Raphael Amaral, Susana Palmerston e Cátia Pereira (2011) selecionada para o Festin.
  • Autoria das músicas originais da peça “Auricolérica e Teleufórica”

 

  

2009 – Lança no Palácio Foz, com o apoio da Embaixada do Brasil, o CD de música instrumental “Choro Malandrinho” do seu grupo “Raspa de Tacho” , que inclui quatro faixas de sua autoria e do qual fez, em parceria com Gabriel Godoi, a produção musical.

Ao longo desses anos, apresentou-se com frequência quer com o Raspa de Tacho como com outros projectos de sua autoria, entre outros, nos seguintes locais:

    

    Participação, como representante do Brasil, no encontro da lusofonia, no Teatro São Jorge, promovido pela C.P.L.P. (2010)

  •     Museu da Música de Lisboa
  • Apresentações no “Pedacinho do Céu” (Belo Horizonte - Brasil)
  • Apresentação no “Cacique de Ramos” ao lado de Sombrinha e Bira Presidente. (Rio de Janeiro – Brasil)
  • Apresentações no “Trapixe da Gambôa” (Rio de Janeiro- Brasil)
  • Praça Martim Moniz no projecto “Renovar a Mouraria”
  • Teatro Virginia em Torres Novas
  • Centro Cultural das Caldas da Rainha
  • Tavira no festival “Outonalidades”- Portugal e Galiza
  • Festival de Verão deTavira
  • Teatro de Vila Real, inserido no “6º Festival de Músicas do Mundo de Vila Real”
  • Vila Real
  • Cinema São Jorge “Doc Lisboa tributo a Pierre Barouh” com a participação do mesmo e da actriz Izabel Ruth
  • Museu Nacional dos Coches em Lisboa
  • Arranja e produz  o CD autoral de Luciene Amado
  • Apresentação nos 40 anos do SOS Racismo, na cinemateca de Lisboa e no clube dos Ferroviários
  •     Onda Jazz
  • Speakeasy
  • Fábrica do Braço de Prata
  • Lx Factory

 

Em 2011 lança o projecto Tercio Borges & Democratas do Samba, se apresentando periódicamente no Teatro do Bairro e em diversas cidades de Portugal e funda, com mais 7 músicos, a Orquestra Libertina de Lisboa especializada em choros.

 

Em 2012 funda o Clube de Choro de Lisboa que se reúne todas as segundas feiras no Mini Teatro da Calçada e continua a se apresentar com Os Democratas do Samba, com o Trio 171, com a Orquestra Libertina e com o Grupo de Choro Raspa de Tacho.

 

Como este curriculum não é especificamente sobre choro, segue aqui mais alguns dados.

Participo do mundo do choro desde os 16 anos e já atuei com diversos nomes como:

Abel Ferreira, Época de Ouro, Zé da Velha, Paulinho da Viola

Raul de Barros, Paulo Moura, Copinha, Altamiro Carrilho

Ademilde Fonseca, Deo Rian, Rafael Rabelo, Sivuca

Severino Araujo (Domingueira voadora), Joel Nascimento, entre outros não menos importantes…

A minha “escola” de choro foi a roda, pois quando dava os meus primeiros passos no cavaquinho, não haviam métodos, livros e até mesmo uma partitura era difícil de encontrar.

Fui um dos precursores do movimento musical da Lapa, sempre divulgando e tocando o samba e o choro. Toquei na primeira casa do gênero “Coisa da Antiga” e em diversas outras que abriram nos anos seguintes. Vivo em Portugal há 11 anos e montei a primeira roda de choro em Lisboa no ano de 2001.

Em 2012 fundei, em parceria com Susana Palmerston e Cátia Pereira, o Mini Teatro da Calçada e lá para cá, já recebi, entre outros chorões/sambistas, em apenas um ano de atividade no Clube de Choro de Lisboa, nomes como:

Carlinhos 7 cordas, Sombrinha, Rodrigo Lessa

Eduardo Neves, Dirceu Leite, Daniela Spillman (Rabo de Lagartixa), Pedro Miranda, Mestre Siqueira do cavaquinho, Grupo Semente,

A turma da Roda de choro de Brasília, Marcos Suzano, Luis Felipe de Lima, Luiza Dionísio, Eduardo Galloti, Beto Cases, Henrique Cases, Leandro Braga, entre outros.